Espécie de tardígrado, ‘criatura mais resistente do planeta’, é achada em âmbar de 16 milhões de anos

Uma pesquisa liderada por pesquisador da Universidade de Harvard, nos EUA, descreveu nesta semana a descoberta de um tardígrado aprisionado em um pedaço de âmbar datado de 16 milhões de anos. A descoberta de um desses animais fossilizados é considerada raríssima.

Os tardígrados são animais microscópicos conhecidos como “ursos d’água”. São criaturas com menos de um milímetro de comprimento que podem sobreviver a temperaturas de 150ºC e congeladas até quase zero absoluto.

De acordo com os pesquisadores, o fóssil seria apenas o terceiro descrito em um estudo científico. O achado foi descrito na revista “Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences”, e mostra a espécie batizada de Paradoryphoribius chronocaribbeus achado na República Dominicana.

“A descoberta de um tardígrado fóssil é realmente um evento que ocorre uma vez a cada geração”, disse Phil Barden, pesquisador líder do estudo.

Em estudos anteriores, os cientistas descobriram que os tardígrados têm o que parece ser uma espécie de superpoder. Quando desidratam, eles retraem a cabeça e as oito patas, se encolhendo em uma pequena bola, e entram em um estado profundo de animação suspensa que se parece muito com a morte.

Eles perdem quase toda a água do corpo — e seu metabolismo diminui para 0,01% da taxa normal. E tem mais: quando estão ativos, são capazes de suportar temperaturas de até 150 graus acima e abaixo de zero.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *