outubro 12, 2021

Polícia do Paraguai nega 5ª vítima de chacina em Pedro Juan Caballero; veja vídeo do momento da execução

Os mortos são as estudantes brasileiras Kaline Reinoso de Oliveira, de 22 anos, e Rhannye Jamilly Borges de Oliveira, de 18 anos; Haylee Carolina Acevedo Yunis, de 21 anos, filha de um governador paraguaio, e Omar Vicente Álvarez Grance, de 32 anos, conhecido como Bebeto. Imagem: Divulgação

Novo vídeo mostra execução de filha de governador e mais três no Paraguai

A polícia paraguaia voltou atrás e disse que não houve uma 5ª morte em decorrência do atentado ocorrido em Pedro Juan Caballero, na fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai, na madrugada do último sábado (9).

A informação havia dada pelo chefe de investigação de Homicídios paraguaio, Hugo Grance, à TV ABC, do Paraguai, na manhã desta terça-feira (12). Pouco tempo depois, no entanto, outro responsável pela investigação, César Silgueiro, voltou atrás, em entrevista à mesma TV.

Segundo Silgueiro, o erro ocorreu por conta da morte de uma pessoa homônima do lado brasileiro.

“A informação que veio do Brasil era de que Raphaelli Alves do Nascimento, de 20 anos, tinha morrido, mas depois nos repassaram dizendo que quem faleceu era outra pessoa, de mesmo nome. Sim, esta vítima está ferida e está se recuperando, mas não morreu”, afirmou.

Raphaelli estava internada no Hospital Regional de Ponta Porã, em estado estável e consciente. Na tarde desta terça-feira, ela foi transferida para outro hospital, que não foi divulgado por questões de segurança, conforme a Secretaria de Segurança Pública do Município.

Outras vítimas

Outras duas pessoas foram feridas no ataque e estão internadas, segundo a polícia paraguaia. Ainda segundo a Secretaria de Segurança Pública de Ponta Porã, os paraguaios feridos no atentado não estão no hospital do lado brasileiro da fronteira.

Os mortos são as estudantes brasileiras Kaline Reinoso de Oliveira, de 22 anos, e Rhannye Jamilly Borges de Oliveira, de 18 anos; Haylee Carolina Acevedo Yunis, de 21 anos, filha de um governador paraguaio, e Omar Vicente Álvarez Grance, de 32 anos, conhecido como Bebeto.

Segundo a polícia paraguaia, Bebeto era o alvo dos pistoleiros. Ele é suspeito de integrar o narcotráfico da região.

Os quatro estavam entrando em um veículo quando foram atingidos por pistoleiros nas ruas Mariscal López e Ytororó, no bairro San Antonio (veja vídeo abaixo).

A suspeita, segundo a polícia do Paraguai, é que os outros feridos tenham sido atingidos por estarem perto das vítimas quando ocorreu o atentado.

Sete presos

Ao menos 7 pessoas foram presas nas investigações sobre o atentado. Seis são brasileiros que estavam em uma casa no bairro Maria Victoria, em Pedro Juan Caballero e foram encontrados na segunda-feira (11).

Na operação, também foram apreendidos três carros com documentos brasileiros referentes a outros três automóveis, celulares, joias e um recipiente com 74 gramas de maconha, segundo a polícia paraguaia.

Equipes do Departamento Regional de Investigação de Atos Puníveis da Polícia Nacional foram ao local após terem a informação de que um caminhão utilizado no ataque havia sido incinerado nas últimas horas na colônia Fortuna Guazú.

Outro suspeito foi preso no domingo (10) após perseguição que envolveu policiais paraguaios e brasileiros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *