outubro 14, 2021

TJM condena oito militares por morte de músico e catador no Rio de Janeiro

Músico e catador assassinados no Rio de Janeiro. Imagem: Reprodução

O Tribunal de Justiça Militar condenou na madrugada desta quinta-feira, 14, oito militares do Exército envolvidos na morte do músico Evaldo Rosa e do catador Luciano Macedo em abril de 2019. O julgamento, que foi adiado quatro vezes, teve início na quarta-feira, 13, e durou mais de 15 horas. Outros quatro militares julgados foram absolvidos por não ter disparado suas armas no dia do crime.

A maior condenação foi para o tenente Ítalo da Silva Nunes Romualdo, condenado a 31 anos e seis meses em regime fechado. Outros sete militares foram condenados a 28 anos de reclusão e regime fechado. Eles também foram expulsos da corporação por culpabilidade comprovada.

Os condenados são Fabio Henrique Souza Braz da Silva, Gabriel Christian Honorato, Gabriel da Silva de Barros Lins, Ítalo da Silva Nunes Romualdo, João Lucas da Costa Gonçalo, Leonardo de Oliveira de Souza, Marlon Conceição da Silva e Matheus Santanna Claudino.

Homicídio qualificado, tentativa de homicídio e omissão de socorro

Os militares foram denunciados por homicídio qualificado, tentativa de homicídio e omissão de socorro, desta última acusação, todos foram absolvidos.

“Eles não têm noção de como estão trazendo uma paz para a minha alma. Eu sei que não vai trazer o meu esposo de volta, mas não seria justo eu sair daqui sem uma resposta positiva”, disse Luciana, viúva de Evaldo, após o julgamento. “Hoje vou chegar em casa, vou tomar um banho e acho que hoje vou conseguir dormir.”

O julgamento começou na manhã de quarta-feira e contou com cinco integrantes do Conselho, formado por uma juíza federal e quatro juízes militares sorteados, a juíza e mais dois militares votaram pela condenação, uma outra integrante votou pela condenação culposa e outro pela absolvição dos militares.

Quatro dos 12 réus tiveram a absolvição solicitada pela própria promotoria, que pontuou a comprovação de que eles não atiraram. Os absolvidos são o cabo Paulo Henrique Araújo Leite e os soldados Vitor Borges de Oliveira, Wilian Patrick Pinto Nascimento e Leonardo Delfino Costa.

Os condenados ainda seguem em liberdade, já que com a sentença contam com um prazo de cinco dias para a apelação da defesa. Após o recebimento da apelação, será aberta a vsta dos autos e após um prazo de dez dias, o Superior Tribunal Militar avalia o caso (STM). Eles podem ser presos somente após decisão final do STM.

Relembre o caso

Em abril de 2019, o músico Evaldo Rosa dos Santos estava a caminho de um chá de bebê quando passou por patrulha na região da Vila Militar em Guadalupe, na zona norte do Rio, onde foi alvo de 257 tiros de fuzil de pistola. O carro em que o músico estava foi atingido por 80 tiros.

Além do assassinato do músico, os militares também responderam pela morte do catador de recicláveis Luciano Macedo, baleado ao tentar ajudar a família que estava no veículo.

Além de Evaldo, também estavam no carro a sua esposa, o filho e sogro, além de uma amiga da família. A Procuradoria de Justiça Militar no Rio de Janeiro diz que não houve ordem para parar o carro e não havia posto de bloqueio ou blitz na estrada.

A versão dos militares é que eles teriam confundido o carro do músico com o de criminosos que, minutos antes, haviam roubado um carro da mesma cor que o da vítima, mas de outra marca e modelo.

 

Viúva de Evaldo, Luciana, bebe água para se acalmar antes de dar entrevista após o julgamento — Foto: Nicolás Satriang1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *